Blog


08/10/2018 Notícias

Pioneiros no estudo da imunoterapia contra o câncer ganham Prêmio Nobel de Medicina

Allison e Honjo são considerados os pais da imunoterapia contra o câncer

Pioneiros no estudo da imunoterapia contra o câncer ganham Prêmio Nobel de Medicina

Devido a serem capazes de estabelecer um princípio totalmente novo para curar o câncer, explorando o próprio sistema imunológico do corpo humano, os pesquisadores James P. Allison, dos Estados Unidos, e Tasuku Honjo, do Japão, receberam o Prêmio Nobel de Medicina 2018. O prêmio foi entregue no dia 1º de outubro pelo Karolinska Institutet.

O câncer é uma doença responsável por matar milhões de pessoas todo ano e, com isso, encontrar formas de combater essa doença sempre foi um dos maiores desafios dos últimos anos. Foi por isso que os dois pesquisadores, trabalhando de forma independente, decidiram pesquisar sobre possíveis curas.

Mas, afinal, o que a pesquisa do Prêmio Nobel de Medicina descobriu?

 

 

Os pesquisadores perceberam que, estimulando a capacidade intrínseca do nosso sistema imunológico de atacar as células cancerígenas, seria possível introduzir um princípio completamente novo para a terapia contra o câncer.

Eles identificaram maneiras de liberar o sistema imune das artimanhas das células cancerígenas e, com isso, permitir que ele possa atacar os tumores.

A pesquisa realizada por James P. Allison

O pesquisador Allison foi o responsável por estudar uma proteína que funciona como um freio para o sistema imunológico. Além disso, ele descobriu também de que forma é possível liberar esse freio e, assim, engajar as células imunológicas do corpo humano ao ataque aos tumores.

Como Tasuku Honjo contribuiu

Já o pesquisador Tasuku Honjo foi capaz de descobrir uma proteína presente nas células do sistema imunológico, a qual também funciona como um freio, mas possui um mecanismo de ação diferente.

No entanto, de qualquer forma, as terapias baseadas nas descobertas destes dois pesquisadores se mostraram incrivelmente eficazes na luta contra o câncer. No Brasil, os primeiros tratamentos de imunoterapia só foram aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no ano passado, em 2017.

Como são tratamentos caros ainda não fazem parte do Sistema Único de Saúde (SUS), mas já estão fazendo a diferença em muitos pacientes. Com o Prêmio Nobel de Medicina pode ser que a situação mude e que o tratamento fique cada vez mais acessível a todos! Continue acompanhando nossas publicações!

Assuntos relacionados: prêmio nobel de medicina