Blog


17/09/2018 Notícias

Cérebros doados ajudam cientistas a descobrirem a origem do Mal de Azheimer

Banco com 4 mil cérebros ajuda na determinação das causas das doenças do envelhecimento

Cérebros doados ajudam cientistas a descobrirem a origem do Mal de Azheimer

Se a doação de órgãos é importante para salvar vidas, com certeza também é para dar continuidade aos estudos na área da medicina. Cérebros doados, por exemplo, tem se mostrado como uma fonte para a descoberta da origem do mal de Alzheimer, doença degenerativa que está infelizmente cada vez mais comum.

Em São Paulo, a Universidade de São Paulo – FMUSP – tem cerca de 4 mil cérebros doados. Esses órgãos pertenceram a pessoas que vieram a óbito de causas naturais e que já tinham mais de 50 anos, já que o objetivo do projeto é estudar doenças ligadas ao envelhecimento.

Neurologistas e neurocientistas se uniram em prol de descobrir a origem do mal de Alzheimer ao mesmo tempo em que checam outras características assumidas pelo cérebro com o passar dos anos. Na medicina, sabe-se que a descoberta da origem da doença é o primeiro passo para se determinar uma cura ou tratamento.

Projeto Envelhecimento Cerebral

 

 

O projeto, que hoje acumula milhares de cérebros doados, foi iniciado no ano de 2004. O sucesso no número de órgãos obtidos nesse tempo deve-se especialmente ao fato de que a faculdade realiza em torno de 15 mil autópsias por ano na capital paulista.

Após doar o cérebro para a instituição, os familiares precisam responder a uma série de perguntas, a fim de se esclarecer um pouco mais quem era o indivíduo, pois apenas assim é possível saber se o doador era sadio ou não. Também são feitos inúmeros exames e testes.

A origem do mal de Alzheimer

Entre os estudos realizados dentro deste projeto, um dos principais indicou que a origem do mal de Alzheimer está no tronco cerebral. Basicamente falando, o tronco cerebral está ligado à medula espinhal mudando completamente o que se sabia dessa origem.

Antes se acreditava que a origem do mal de Alzheimer estava no córtex e a nova descoberta possibilita um estudo melhor direcionado a fim de que se determinem possíveis cuidados e tratamentos ainda mais exatos e satisfatórios. Quais serão as próximas descobertas? Só ficando de olho para descobrir! Aproveite e assine nossas newsletters!

Assuntos relacionados: ORIGEM DO MAL DE ALZHEIMER.