Blog


08/03/2018 Notícias

Células-tronco podem curar a calvície, de acordo com estudo

Estudo feito com camundongos apresentou resultados positivos em Indiana, nos EUA.

Células-tronco podem curar a calvície, de acordo com estudo

O mais recente estudo sobre saúde capilar aponta para a eficácia das células-tronco no tratamento da calvície. Cientistas da Universidade de Indianapólis conseguiram estimular as células de roedores, fazer nascer uma nova pele na região e ainda crescer novos pelos.

A descoberta recente animou os especialistas, pois a pele produzida em laboratório é a mais parecida com o couro cabeludo até então. Após o procedimento, os ratos começaram a apresentar pelos em regiões que antes eram carecas.

O estudo

Há algum tempo cientistas cogitavam a hipótese de usar células-tronco no controle e combate da calvície. Mas o estudo recente da Faculdade de Medicina de Indiana foi o que chegou mais próximo de uma solução para o problema.

 

 

Estima-se que dois a cada cinco homens sofram com a queda de cabelo, algo que afeta a autoestima e traz problemas emocionais para os pacientes. Daí a importância de estudos dessa temática para reduzir os efeitos da calvície.

Para chegar a esses resultados, os pesquisadores desenvolveram peles artificiais em laboratório. Eles usaram camundongos como cobaias e reconstruíram partes da pele dos roedores estimulando as células-tronco do próprio animal.

Ao término do estudo, eles perceberam que a nova pele era capaz de produzir os folículos pilosos, estrutura da pele composta por três invólucros e capaz de produzir pelos. A pele produzida também foi a que ficou mais próxima do couro cabeludo, o que aumenta as chances de sucesso do procedimento em seres humanos.

Na estimulação das células dos roedores foi usado um sistema simples, célula a célula, capaz de fomentar o crescimento da nova derme e dos folículos.

A descoberta também anima os pesquisadores em relação à alopecia arreata, uma doença autoimune que também causa a perda de cabelo nos homens. A Alopecia se caracteriza por um distúrbio nas células do paciente que poderia ser corrigido com o procedimento recém-descoberto.

A pesquisa agora aguarda para fazer os testes experimentais em tratamento da calvície em humanos, mas sem dúvida é uma excelente descoberta para a comunidade científica. Algo que poderia curar o problema em milhares de pacientes em todo o mundo e dar uma nova cara as clínicas especializadas em calvície.

Gostou desse estudo? Aproveite para compartilhar em suas redes sociais e leve essa informação para mais pessoas.